Postagem em destaque

Planilha Básica para Investimento em Ações

Para um melhor desempenho do investidor em ações na Bolsa de Valores é primordial saber se está ganhando ou perdendo dinheiro e, para is...

quinta-feira, 5 de janeiro de 2017

Fechamento do Mês de Dezembro de 2016

“Veja as flutuações do mercado de ações como suas aliadas, não como suas inimigas, lucre com a insensatez em vez de participar dela.”
Warren Buffett


CHARGE




FECHAMENTO




Neste mês a carteira seguiu  a trajetória de quedas do Ibovespa [-3,28%] e teve e desvalorizou mais 1,29%.


Desempenho do Mês:
Carteira: -1,29%
Ibovespa: -3,28%
CDI: 1,12%
IPCA: 0,18%


Seguindo a estratégia de comprar ações dos papéis mais defasados da carteira, foram aportados mais dois salários mínimos, R$ 1.874,00, que, somados aos proventos recebidos, foram suficientes para adquirir mais 139 ações da Cemig [CMIG3] e de mais 41 ações da Porto Seguro [PSSA3].


Proventos do mês de novembro: R$ 356,44
BBDC4: R$ 1,48
BVMF3: R$ 14,72  
ELPL4: 110,37
CMIG4: 101,05 + 9,78
CGAS5: 119,04


Acesse a "Planilha Básica para Investimentos em Ações" aqui ou saiba mais sobre ela aqui.


LEITURA DO MÊS


Crash: Uma Breve História da Economia
Autor: Versignassi, Alexandre




Sinopse da Editora:


Como o dinheiro, a falta de dinheiro, a insanidade e a safadeza construíram o mundo mais próspero de todos os tempos. E muito mais, como você nunca leu. Couro, peixe seco, sal grosso, pinga, tabaco. Tudo isso já foi moeda. Mas a que deu certo mesmo foi outra: o dinheiro falso. Uma criação da Grécia antiga que você carrega hoje na carteira. Dinheiro falso que movimenta um mercado financeiro insano, cheio de períodos de euforia e depressão. Só que foi justamente essa loucura que deu à luz o mundo mais rico de todos os tempos. O nosso mundo. Este livro mostra por quê. E diz como a história, a psicologia e até a biologia explicam as finanças - do sobe e desce das bolsas de valores ao perigo da inflação. Crash, enfim, decifra os enigmas da economia. A mais perturbada, intensa e genial das criações humanas. Tudo em linguagem clara, 100% livre de jargões.


COMENTÁRIO


Crash, em uma linguagem clara e 100% livre de jargões, é um livro voltado para o grande público. O autor narra a odisséia do dinheiro com um humor ácido e perspicaz. A leitura é como se você estivesse lendo uma reportagem da Superinteressante.
Enfim, é um livro obrigatório para quem tem interesse sobre economia ou investimentos.


NOTÍCIAS DO MÊS


Quando alguém dizia que isso aqui se tratava de uma república bananeira os mais patriotas rebatiam essa afirmação dizendo que não era bem assim, mas diante dos últimos acontecimentos podemos afirmar que a situação desse país é bem pior e caminhamos para a anarquia pura e simples, ondes os três poderes, deveriam conviver em harmonia funcionando como freios e contra-pesos num um dos outros modelo de república teorizado por Montesquieu, se digladiam na luta para manter seus privilégios e se sobrepor aos demais.
O se viu foi a avacalhação geral do Supremo Tribunal Federal. O ministro Marco Aurélio, dando ouvidos à turba, resolveu atender a um pedido liminar do processo em andamento, resolveu afastar o presidente do congresso e do senado Renan Calheiros. O senador alagoano, réu em um processo por peculato, tira onda com o ministro e não cumpre a decisão. Depois que o ministro fanfarrão foi chamado de louco por um de seus pares o órgão máximo do judiciário decidiu ignorar a desobediência do senador e mantê-lo no cargo, só decidindo pelo afastamento dele da linha sucessória do comando do executivo.
O presidente atual, que chegou ao poder por meio de um golpe parlamentar com modelo importado do Paraguai, propõe o desmanche de programas herdados dos governos antecessores e condenar os brasileiros ao “trabalho eterno”, onde para se conseguir uma aposentadoria seria necessário contribuir para a previdência por meio século e descaradamente propor uma renda menor que o salário mínimo para pensionistas, deficientes e desamparados.
Que o sistema previdenciário brasileiro não se sustenta em razão do envelhecimento da população e da queda da taxa de natalidade. O problema, é que nosso sistema previdenciário é ultrapassado porque contribuímos para o pagamento dos benefícios de quem está aposentado, quando deveríamos contribuir para formar uma poupança para nossa própria aposentadoria.
Uma reforma séria mudaria o nosso sistema previdenciário de repartição - em que as contribuições dos trabalhadores em atividade pagam os benefícios dos aposentados - (ultrapassado) para o de capitalização  - em que cada trabalhador poupa para sua aposentadoria -, sistema utilizado por todos os países do mundo moderno. A parte mais complexa disso é a transição de um sistema para outro, mas qualquer sacrifício seria melhor do que a reforma proposta onde grande parte dos contribuintes morreriam antes de se aposentarem.
Na minha opinião, deveria haver a possibilidade de quem quiser cuidar de sua própria aposentadoria de desistir do sistema público de previdência.


Valor | Produção industrial cai 1,1% e tem pior outubro desde 2013. Entre os setores, as principais influências negativas foram registradas por produtos alimentícios (-3,1%) e veículos automotores (-4,5%), com o primeiro eliminando parte do avanço de 6,3% verificado no mês anterior, e o segundo voltando a recuar após crescer 4,7% em setembro, quando interrompeu dois meses consecutivos de queda na produção, que acumularam perda de 11,8%.
Folha | Com novo recuo do PIB, gestão de Henrique Meirelles na Fazenda volta a ser alvo de críticas.
Valor | Chance de Temer cair sobe para 20%, diz Eurasia.
Folha | Safra de grãos caiu 11% em 2016, primeira queda em 6 anos, diz CNA.  Mesmo com a quebra da produção, o PIB do agronegócio deverá crescer até 3% neste ano em relação a 2015.
Último Segundo | Depois de Rio e RS, governo de Minas Gerais decreta estado de calamidade financeira.
Valor | Trabalhador de baixa renda é quem mais perde na reforma da previdência.
IG | Setor de serviços tem queda de 7,6%; pior resultado desde 2012. IBGE informou ainda que o segmento de serviços apresentou queda 2,4% entre setembro e outubro. No acumulado do ano a queda é de 5%.
Reuters | Atividade econômica do Brasil inicia 4º tri com contração de 0,48% em outubro, mostra BC. Na comparação com outubro do ano passado, o IBC-Br recuou 3,88 por cento, enquanto que no acumulado em 12 meses, a queda chegou a 5,29 por cento, sempre em números dessazonalizados.
Reuters | Valor médio de aluguel residencial no Brasil cai 0,11% em novembro, diz FipeZap. O índice FipeZap de locação acumula baixa de 3,21 por cento de janeiro a novembro, e de 3,24 por cento em 12 meses. Descontada a inflação de 6,99 por cento dos últimos 12 meses, a queda real foi de 9,56 por cento, de acordo com a pesquisa.
G1 | Valor de mercado das empresas de construção cai 71% em 6 anos, diz estudo.
Valor | Cielo ainda não vê sinal de recuperação na economia. O índice Cielo de varejo ampliado (ICVA) apresentou queda real de 6% em outubro e, segundo o diretor de relação com investidores da credenciadora de cartões Cielo, começa-se a notar uma tendência de estabilidade. Ainda assim, afirmou, não há nenhuma sinalização de retomada no momento.
Estadão | Para FGV, recuperação só virá no 2º semestre de 2017.
Extra | O que aconteceu com a nova classe média: Oito milhões de passageiros deixam de viajar de avião e boa parte migra para os ônibus.
Valor | Arrecadação tributária tem leve alta em novembro, mas no acumulado do ano tem queda real de 3,16% sobre igual período do ano passado.
Valor | Reforma abre espaço para Estados adotarem previdência privada.
Valor | Pioram previsões para desemprego em 2017. As perspectivas para o mercado de trabalho se deterioraram ainda mais, levando à avaliação generalizada de que a taxa de desemprego em 2017 será mais alta do que se esperava há alguns meses. As projeções apontam para uma desocupação média na casa de 13% no ano que vem, acima dos cerca de 11,5% previstos para a média deste ano.
Reuters | BC estima déficit em transações correntes maior em 2017, de US$28 bi, maior que o rombo
de 22 bilhões de dólares estimado para 2016, enxergando mais remessas de lucros e dividendos para o exterior e gastos com viagens internacionais.
Terra | Prévia da inflação oficial fecha ano em 6,58%, diz IBGE.
G1 | Dívida pública sobe 1,97% em novembro e chega a R$ 3,09 trilhões.
Veja | Governo tem o pior déficit para novembro em 20 anos. Contas do governo do mês passado fecharam com um rombo de 38,35 bilhões de reais, segundo o Tesouro Nacional.
Veja SP | Vendas do Natal são as piores dos últimos 12 anos, diz associação.
Exame | Pela 1ª vez em 12 anos, shoppings fecham mais lojas do que abrem. A queda foi de 12,9% na quantidade de lojas este ano, que chegou a 121,6 mil ao final de 2016 ante 139,7 mil no ano anterior.
Reuters | Governo central tem déficit primário recorde para novembro, de R$38,357 bi.


Capital Externo Na Bolsa




  • Em dezembro: R$ -668,149 milhões
  • Em 2016: R$ 14,325 bilhões
  • Saldo Acumulado:  R$ 64,960 bilhões


Para Finalizar


O site de humor, Sensacionalista, se viu obrigado a dizer que não administra a conta do Twitter do presidente Michel Temer.




Veja também:



3 comentários:

  1. Olá!

    Conforme prometido disponibilizei hoje a linha de tempo da blogosfera financeira. Seu blog está no estudo. Passe lá depois para ver se está tudo certo.

    http://abacusliquid.com/blogosfera/finansfera-timeline/

    Um bom fds!

    ResponderExcluir
  2. AB,

    conheci seu blog agora... gostei bastante da planilha.
    estou te adicionando na minha lista de blogs, e agradeço se me add tb :)

    Abraço
    PD7

    ResponderExcluir